Educação Profissional no Canadá

Nessa postagem estamos organizando um resumo sobre como é organizada a educação profissional no Canadá.

Esse material está em fase de construção e de revisão.

Segundo Marisa Kenicke (2014), no livro: EDUCAÇÃO MUNDO AFORA, no Canadá não há um organismo nacional similar ao MEC que coordena a educação em nível federal. A  condução e a avaliação  do ensino, nos níveis básico e secundário, recai sobre suas 13 jurisdições (dez províncias e três territórios), subdivididas em distritos educacionais geridos por uma superintendência auxiliada por uma rede e comissões educacionais.  Pela falta de um poder central as províncias têm elevado grau de autonomia para organizar suas redes.

Mas há um Conselho de Ministros da Educação do Canadá (CMEC) que reúne representantes das províncias para cooperação. É preciso adaptar-se às peculiaridades de uma sociedade bilíngue e multicultural.

Estabelecido por lei em 1969 (modificado em 1988), o bilinguismo obriga as províncias e territórios a
garantir o acesso de cidadãos a serviços em ambas as línguas inglesa e francesa. Exige-se, ainda, que,
em jurisdições onde existam minorias francófonas ou anglófonas, o poder público assegure o acesso
à educação a essas populações em seus respectivos idiomas.

Em 2009, o Canadá destinou 6,6% do PIB em educação (na soma de gastos públicos e privados), percentual que se situa ligeiramente acima da média do conjunto dos países da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico – OCDE (6,3%) .

Apesar das características regionais, o sistema provincial de educação compreende quatro níveis: primário, secundário, colegial e superior.

Em QUEBEC, o ensino é público, gratuito e compulsório dos seis aos 16 anos de idade.

A partir da década de 60, o sistema educacional de Quebec foi reestruturado com a introdução de ciclos de educação profissional.

Atualmente, o programa de ensino secundário, destinado a alunos de 12 a 17 anos, divide-se
em dois ciclos. Os dois primeiros anos do primeiro ciclo são voltados ao aprendizado de matérias básicas e, a partir do terceiro ano, o aluno pode incorporar matérias eletivas ao currículo regular. No segundo ciclo, os estudantes têm a opção de seguir o curso regular ou de caráter profissionalizante, cujo currículo se diferencia pela oferta de aulas práticas e de disciplinas obrigatórias, tais como: autonomia e participação social, experimentação científica e tecnológica, desenvolvimento de habilidades técnicas, e preparação para o mercado de trabalho.

Imagem 230

Em QUEBEC são muito comuns os CEGEPs  (Collège d’Enseignement Général et Professionnel) – que oferecem educação em nível intermediário entre o colegial e o nível superior. Os cursos ofertados pelos CEGEPs têm duração de 2 ou 3 anos de qualificação técnica.  No primeiro caso, após a conclusão do curso, o aluno estará apto a seguir formação universitária e, no segundo caso, receberá certificado de conclusão de ensino profissionalizante.

Em 2011 tive a oportunidade de visitar o CÉGEP MARIE-VICTORIN, localizado a aproximadamente 100km do centro de Montreal.  O CÉGEP possui cursos de moda e estilismo, educação infantil, educação especial, design de interiores, gestão da produção da vestimenta, artes e letras, ciências da natureza entre outros.

canada ept

Na Figura, tem-se a ilustração de uma estrutura típica de educação canadense.  Algumas variações ocorrem entre as diferentes províncias. As instituições pós-secundárias e não-universitárias são conhecidas por vários nomes, como por exemplo, CEGEPs, Institutos de Tecnologia, Escolas politécnicas e colégios comunitários.  Alguns oferecem também programas de transferência universitária.

canada sistema educacao

Uma das dificuldades do sistema educacional canadense está relacionada à “livre circulação”, dos trabalhadores entre as províncias, uma vez que não há um sistema eficiente de reconhecimento da formação. Ou seja, os trabalhadores canadenses têm dificuldade para transferir suas competências a outro território diferente daquele onde obtiveram sua certificação.

Se compararmos os cursos brasileiros com os cursos canadenses, é possível se estabelecer uma correspondência conforme descrito na Figura.

comparação canadá e brasil

A exemplo do que acontece nos EUA, os profissionais precisam de uma licença para exercer a profissão, assim como acontece com os advogados e a OAB no Brasil. Essa licença depende de aprovação em prova escrita e prática.